Warsaw 5 ºC
1 EUR = 4.32 PLN
Contacte-nos

A hospitalidade polaca tem sido sempre um dos aspetos que mais cativa os viajantes que visitam este país de portas abertas. A sua fama provém de tempos remotos. Existem inclusive crónicas Sármatas que falam tanto sobre ela como do facto de que cada viajante poderá encontrar aqui um teto onde dormir e um prato quente para comer.

Convidado em casa, Deus em casa é um provérbio que nos acompanha desde tempos imemoráveis, talvez desde aquela época. Um provérbio que poderá viver na sua própria pele...- e no paladar! – quando nos visitar. Quer se aloje num dos nossos antigos palácios nobres reconvertidos em hotéis com encanto, quer numa casa rural ou nalgum moderno estabelecimento urbano. Até nos mais vanguardistas poderá viver o inconfundível e tradicional caráter acolhedor nacional.

A hospitalidade polaca é legendária, e é conhecida sobretudo, pela nossa gastronomia, intimamente relacionada com esta reputação. Quando há convidados em casa a mesa tem de estar cheia porque esta é uma forma que temos de abrir os braços e de mostrar a nossa melhor cara, dando a provar as nossas iguarias.

Uma forma de conhecer o país e disfrutar da sua hospitalidade é traçando alguma das numerosas rotas culinárias que percorrem toda a superfície da Polónia, passando pelas suas cidades monumentais, pelos seus espetaculares museus, castelos românticos, parques nacionais, santuários, rotas mineiras...São uma oportunidade para desfrutar dos sabores regionais que conquistam paladares e corações. Tal e como diz o nosso velho provérbio polaco: chega-se ao coração através do estômago. 

Venha e deixe-se querer!

HOSPITALITY_1170x780 (1).jpg

O que ver

Milhares de anos de história dão muito para falar e visitar. O quê, como ou quando é uma questão de gostos.

Na sua checklist  de cidades históricas imprescindíveis da Europa têm de estar, sem dúvida, pelo menos três destinos da Polónia. Por antiguidade, as primeiras seriam Wrocław e Gdańsk, que já alcançaram um milénio e podem por isso presumir de uma coleção de arquitetura simplesmente espetacular.

Além disso, o inconfundível ritmo inovador de Gdańsk, na costa do mar Báltico, já a fez ganhar construções revolucionárias nos últimos anos. A terceira seria Cracóvia, um quarto de milénio mais “jovem” que as anteriores e que conserva intacto o seu cativante aspeto medieval, brindando-nos com atmosferas artísticas e fabulosos arredores como as impressionantes minas de sal de Wieliczka.

Porque motivo visitaria apenas três? Se aprecia a arquitetura gótica, terá de fazer um espaço na sua lista para a monumental zona histórica de Toruń, parada no tempo, e para o enorme Castelo de Malbork, um dos maiores do continente. Ambos, junto a  Cracóvia e às minas de Wieliczka, são Património da Humanidade. E se preferir a elegância renascentista, acrescente Poznań ou Zamość ao seu plano de viagem. A última é considerada um dos exemplos mais bem conseguidos do conceito italiano de “cidade ideal” que se materializou aqui, desde zero, no século XVII.

Falámos de cidades mas ainda não mencionámos a capital. Vai deixá-la para trás? Moderna, cosmopolita, vibrante... Espalha energia ao mesmo tempo que nos deslumbra com a sua cor verde e sustentabilidade. O seu património é incalculável. Os amantes do mundo clássico têm três palácios reais, os românticos podem desfrutar da música de Chopin em cada esquina, inclusive sentados em bancos para melómanos! Os mais inovadores vão adorar os museus que estão a revolucionar o conceito no continente e, os que quiserem espaços abertos, têm quilómetros para percorrer pela ribeira do Vístula. Há inclusive um Parque Nacional nas portas de Varsóvia.

Não é único. Há 23 em todo o país, além de 120 espaços protegidos de grande valor paisagístico e natural. Em todos há um grande catálogo de propostas de turismo ativo. Inclusive culturais, como a rota temática da arquitetura da madeira no sul da Polónia. As suas peças mais famosas são pequenas igrejas de madeira que recolhem o melhor das tradições artísticas locais. Não muito longe, no Mosteiro de Częstochowa (cidade geminada com Fátima) encontra-se o destino espiritual por excelência do país, que preserva a venerada imagem da Virgem Negra.

E se fecharmos com a arquitetura industrial? O pavilhão do centenário de Wrocław é um ícone da arquitetura europeia tal como as já mencionadas minas de sal de Wieliczka e Bochnia. Também poderá visitar as antigas minas de carvão reconvertidas em museus que se encontram no vibrante subsolo da Silésia.

Há muito para ver. Você escolhe!

SIGHTSEEING_1170x780.jpg

Património

Desde a sua origem, a diversidade corre pelo sangue da Polónia. Encontra-se num cruzamento de caminhos entre o este e o oeste, e o norte e o sul da Europa. Por isso, poderá encontrar aqui influências e manifestações de quase todos os movimentos culturais que percorreram o continente. Não é só uma questão de  arquitetura mas também de tradições, natureza e inclusive gastronomia. A riqueza e a pluralidade do nosso património, seja tangível ou imaterial, é uma das facetas que mais surpreende e mais valorizada por quem nos visita.

Esta diversidade encontra-se presente em cada esquina e, claro, nos 17 espaços que foram declarados Património da Humanidade. Um deles é o antigo bosque primário que se conserva intato desde há centenas de anos, a chamada Selva de Białowieża, que constitui um dos últimos vestígios dos grandes bosques húmidos europeus e onde ainda podemos encontrar, entre uma fascinante coleção de espécies, bisontes em estado selvagem. Também no outro extremo do país, na fronteira entre a Polónia e a Alemanha e nas antípodas conceptuais, somos surpreendidos por outro fascinante espaço natural: o Parque Nacional Mużakowski, um fantástico jardim de estilo inglês.

A região do país que mais monumentos do Património da Humanidade alberga é a cidade de Małopolska. A sua capital, Cracóvia, encontra-se na lista inaugural da UNESCO desde 1978, junto a outros dois monumentos europeus: a catedral de Aachen e as minas de sal de Wieliczka, situadas a um passo da cidade.

Descubra todos estos monumentos aqui e prepare o seu plano de viagem.

Cidades, castelos, monumentos de engenharia… A identidade cultural da Polónia e o seu património são muito diversos desde a sua origem. Atreva-se a mergulhar pelas centenas de esquinas fascinantes que estão à sua espera neste país, onde é normal ficar surpreendido. 

HERITAGE_1170x780 (4).jpg

Cultura

De certeza que conhece mais artistas polacos do que imagina. O nome Andrzej Sapkowski soa familiar? O autor da saga do romance que inspirou a série e o videojogo The Witcher. E Roman Polański? O realizador do filme O pianista, galardoado com um óscar, passou a sua infância em Cracóvia. E Fryderyk Chopin? O compositor romântico, que posteriormente mudou de nome para Frédéric, nasceu muito perto de Cracóvia.

As suas peças soam por toda a Polónia apesar de não se disfrutarem tanto como no parque dos banhos reais de Varsóvia (Łazienki), onde há uma enorme estátua do génio. Este é um lugar onde habitualmente são interpretadas as suas mazurcas, polonesas, valsas ou noturnas inspiradas na música tradicional polaca. Por todo o país são celebrados festivais de música clássica de nível internacional e quase toda a cidade presume de auditórios modernos onde é comum ouvir uma acústica extraordinária.

A cultura e a arte são um leitmotiv fantástico para uma viagem idílica pela Polónia. Tal e como a história nacional que quase todo o mundo estuda com devoção, cuida com mimo e rememora com paixão. A prova está numa das maiores recriações históricas do continente: a batalha de Grunwald de 1410, que foi um dos maiores enfrentamentos da Europa Medieval, entre o exército da aliança da Polónia e a Lituânia e o da ordem dos cavaleiros Teutones. Visitar aquilo que foi o seu principal castelo, em Malbork, é uma experiencia surpreendente que o levará a uma cruel época de assédios. Outro grande evento histórico que o deixará maravilhado é o Festival dos Vikings, na ilha de Wolin, junto à costa do Báltico, onde é recriado um mercado de artesãos com cânticos e lutas dessa época.

Durante a época dos festivais de música ao ar livre, à Polónia chegam as melhores bandas internacionais do momento. Mas a experiência também é histórica. O festival Orange Warsaw, no Estadio Nacional, tem vindo a ser um dos eventos de referencia da última década no centro da Europa, em nada inferior ao seu “irmão mais velho”: o festival Open’er de Gdynia, que se celebra na costa do Báltico e cumpre este ano a sua vigésima edição.

A escola de cinema polaca é também um dos grandes tesouros culturais do país. Não se trata apenas de Polański, seguramente também lhe soem familiares os nomes de Agnieszka Holland, Krzysztof Kieślowski ou Andrzej Wajda. E mais recentemente, o galardoado Paweł Pawlikowski pelo filme Ida. Estes são apenas a ponta do iceberg. Uma boa forma de “mergulhar” pela arquitetura das ciudades que se convertem em imagens de cinema é aproveitar os festivais com luz e iluminação dos protagonistas: o Light Move Festival da cidade mais cinematográfica do país, Łódź, ou o festival de Toruń, Bella Skyway.

 

CULTURE_1170x780 (6).jpg

Tradições

Há muitos outros caminhos para entrar na Polónia. E, se calhar, o das suas tradições seja um dos mais fascinantes já que recorre algumas das suas esquinas mais remotas e genuínas, onde não costuma faltar a inquebrantável hospitalidade da sua gente.

O Domingo de Ramos, por exemplo, é um dia muito especial. Em vez de ir à igreja com um ramo de louro, como ocorre na Espanha, são feitos desfiles e procissões que percorrem os caminhos das povoações e das ruas das cidades, onde as protagonistas são palmas coloridas que alcançam vários metros de altura. As palmas também estão presentes nos mercados de Páscoa, que se costumam montar durante vários dias antes da Semana Santa. Além disso, a segunda-feira de Páscoa, é um feriado muito celebrado e que rememora tradições ancestrais relacionadas com a água como fonte de prosperidade.

Visitar a Polónia no Natal é uma ideia fantástica que lhe permitirá viver esta festividade desde a nossa perspectiva. Durante os dias prévios, as igrejas luzem decoradas como nunca, são celebrados concursos de canções de natal, mercados encantadores onde as protagonistas são umas bolas decoradas à mão (como há séculos atrás), e são revividas tradições gastronómicas ancestrais, tanto as rurais como as de antigos palácios nobres. Depois de uma primeira toma de contacto com os mercados natalícios das cidades, não há nada como viajar às pequenas povoações para descobrir tradições que perduraram durante séculos; nessa época são especialmente pitorescas as localidades das montanhas no sul do país.

Estas festas costumam ser ocasiões perfeitas para regressar a casa cheios de recordações muito originais: bolas de natal, palmas de Domingo de Ramos ou ovos de Páscoa, cuja tradição é pintá-los à mão. Felizmente, um dos grandes tesouros do artesanato nacional é produzido todo o ano. Falamos dos encaixes de Koniaków, uma povoação na região da Silésia onde é preservada uma tradição com dois séculos de antiguidade. Consiste em confecionar à mão toalhas, cortinados, lenços, vestidos e, inclusive, peças de roupa interior que chegaram a provocar uma “guerra de encaixes” no país. A bela e característica cerâmica da cidade de Boleslawiec, na vizinha região da Baixa Silésia pode presumir de uma rica história que remonta à idade média. Hoje em dia, são produzidos desenhos modernos em azul cobalto, verde ou vermelho, baseados nos padres tradicionais, já que o artesanato  é um elemento importante na cultura e arte popular polaca.

Os polacos estão particularmente orgulhosos da sua gastronomia tradicional, que constitui um dos pilares do património nacional. O célebre queijo de ovelha oscypek, que é elaborado entre maio e setembro em humildes cabanas de madeira nas montanhas do sul, é um dos seus melhores estandartes.

Mas se há uma tradição que destaca sobre o resto é a sua proverbial hospitalidade. Este é seguramente o aspeto que o viajante mais disfruta quando chega à Polónia.

Além da tradicional e proverbial hospitalidade, encontrará na Polónia as tradições que são fruto das influencias de várias partes da Europa. Ao fim e ao cabo, aqui se cruzavam os caminhos do sul ao norte e do este ao oeste. Não as perca de vista quando estiver a viajar pela Polónia!

TRADITION_1170x780 (3).jpg

A nossa morada
Organização Polaca de Turismo
Delegação para Espanha e Portugal
calle Princesa 3 duplicado, local 1310
28008 Madrid, Espanha